top of page

"Quero estar confortável na minha própria pele”

Atualizado: 20 de out. de 2021


Foi em 25/05/18 que ouvi essa frase de um cliente. Já tinha escutado frases parecidas, mas essa, por algum motivo, me tocou profundamente.

Percebi que a maior parte dos meus clientes partilhavam da mesma situação, da mesma sensação. Percebo que hoje essa frase permanece, pronunciada com muitas linguagens diferentes, mas ela está lá.

O quão angustiante pode ser você estar em um cargo, empresa, time e não se entender no meio de tudo isso? Se sentir desconfortável com você mesmo a cada instante. Como se aquele não fosse o seu lugar ou como se você nunca fosse ser capaz de atingir os resultados esperados.

Quanta pressão, quanta insatisfação. Resultado disso? Explosão, depressão, ansiedade, crise, desânimo, desmotivação, burnout, raiva.... Resultados que, em um bom cenário, levam a percepção da necessidade de mudança!

Seja mudança externa, na carreira, ou mudança interna, através do autoconhecimento e desenvolvimento pessoal.

Mudar dói, mudar quebra padrões estabelecidos, amplia a mentalidade e mostra coisas que estavam escondidas. Em seguida, a mudança liberta, renova, motiva e inspira. Gerando as possibilidades antes tão distantes e impossíveis.

Um ponto comum que acontece na maior parte dos casos e pode estar acontecendo com você agora é que essa sensação de não estar bem na sua própria pele costuma ser oriunda de comparações externas que fazemos.

Então, se eu percebo um colega de trabalho que possui uma excelente habilidade de se posicionar perante a um grupo ou que se comunica com muita facilidade e, se para mim isso é difícil, eu começo a me pressionar a tentar ser daquela maneira. Ou então, começo a achar que não sou bom o suficiente e a me sentir injustiçado. Posso me sentir um peixe fora d’água também... as sensações vão variar de pessoa para pessoa, mas fato é: o desconforto vem e vai se intensificando.

Utilizei a comunicação como a habilidade que gerou comparação no exemplo anterior, mas poderia ser qualquer coisa. Habilidade de fazer uma tarefa específica, habilidade de resolução rápida de problemas, visão sistêmica, capacidade de foco, escrita, estilo de liderança, etc.

O que desejo compartilhar aqui é que a comparação externa leva o seu foco para fora e faz você perder energia buscando ser algo que você não é! Isso acaba gerando um forte processo de autocrítica e autossabotagem, que é um verdadeiro ralo de motivação e energia.

É muito mais produtivo olhar para si mesmo, começar a entender e reconhecer as suas habilidades e desenvolvê-las. Quando começamos a trazer esse foco para dentro de nós, percebemos que podemos ter muitas habilidades e um desempenho excelente respeitando a nossa própria maneira de agir.

Então, voltando ao exemplo da comunicação, pode ser que eu nunca venha a me comunicar igual àquela pessoa, mas eu posso descobrir o estilo de comunicação que se adequa ao meu perfil e posso me tornar tão efetivo quanto o outro.

Gosto de dizer que os talentos naturais de cada pessoa possuem um grande problema: por serem naturais fazemos com facilidade e, por isso, temos uma tendência a desvalorizar esses talentos. Afinal de contas, "isso é tão simples”.


Para a pessoa que tem facilidade em se comunicar, a comunicação é simples! Para a pessoa que tem uma habilidade de detecção de erros e identificação de padrões, isso também é simples!

Saiba de uma coisa: se você faz algo com facilidade, naturalidade e se sente bem com isso, existe uma grande chance de você estar olhando para um talento seu. E o que fazemos com ele? Normalmente desvalorizamos, mas devemos aprimorar, lapidar e desenvolver porque assim você vai brilhar sem estar preocupado em ser igual a luz do seu lado.

Cada pessoa tem um diferencial e talentos específicos. Vamos aprender a reconhecer o talento da pessoa ao nosso lado, mas sem nos pressionar a ser igual. Pelo contrário, entendendo que o fulano é bom na atividade "y" e você é bom na atividade "z" e está tudo bem!

Recapitulando:

  • Observe se você tem a tendência de fazer comparações de si próprio em relação as pessoas ao seu redor;

  • Troque essa tendência de comparação externa por um foco interno na identificação das suas habilidades;

  • Perceba a sua propensão a algum tipo de atividade, habilidade e os comportamentos naturais para você;

  • Potencialize isso através de estudo, aprendizado de novas técnicas e prática.


Você vai se destacar com naturalidade, pois a sua essência estará em ação e não uma pressão para ser aquilo que você não é!

Vai lá, brilha e me conta! =)

Conte comigo!


Gostou do artigo? Clique aqui para conhecer mais de perto o meu trabalho e para agendar uma sessão gratuita de coaching de carreira comigo.

855 visualizações0 comentário
bottom of page